terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Vídeo-Crônicas do Cotidiano: Um dia de folia - e fuga - em Ipanema

           
            Carnaval, nem pensar. Muito menos nas ruas. Combinou consigo mesma de só sair na contramão dos blocos, que pululavam pela cidade, pelas avenidas, vielas e praças. SOS!!! O que fazer no Rio de Janeiro sitiado pelo reinado de Momo uma ex-carnavalesca de carteirinha, do tipo que saía na memorável ‘escola’ Mocó dos Anjos e emendava com bailes nas quatro noites, fantasiada, dançando sem parar?
Desviar da maioria. Em plena sexta à noite, cidade em polvorosa, foi assistir ao filme oscarizável do Scorsese. No sábado, novo êxito: conseguiu passar incólume por grupos de foliões esparsos, depois de testemunhar a extraordinária folia de Meryl Streep como a Dama de Ferro. Nota 10, nota 1.000! No domingo, só pôs os pés na rua às três e meia da tarde, para levar o cachorro para passear. Espírito desarmado, porém distante da volúpia generalizada, por assim dizer. 
Desviou da rua principal, para evitar as hordas de foliões fantasiados e ‘aditivados’ que caminhavam em direção à Visconde de Pirajá, cantando, brincando, carregando suas bebidas em “suportes” inimagináveis. Aí, só parando para fotografar. E acreditar.



           
                 Além do farto combustível à base de vodka+melancia+sprite, o grupo contava com a proteção de uma especialíssima agente do batalhão mais conhecido da cidade, do país.





        
                 Improvável é que ela estivesse em reais condições de trabalho...




          
              Todos muito simpáticos, acessíveis, mas melhor pegar a transversal menos movimentada, continuar a caminhada e... esbarrar numa dupla de amigos com uma “cachorra” diferente, nome pomposo, logo apresentada ao apavorado cão de verdade. 


video
                                                                 (Clique pra ver o vídeo)

          
                    Nada feito. Lá se foi Claudete, saltitante, brincar em outras esquinas.


        









              

          

                


              



                Quem sabe um suco na lachonete... mas como ser atendida neste movimento abundante?


           
               Saída pela direita, e outro grupo aditivado, risonho, vem brincar com o cachorro, “oi totó”... Estabelece-se um diálogo, as duas moças e os dois rapazes são de Campos, não sabem em qual bloco irão, não sabem o horário nem o local da saída, até que um deles se lembra de uma informação 
fundamental.


         

- Ah, é alguma coisa com merda...
- Acho que é o bloco “Que merda é essa?” – arrematou uma delas.

          
                 Pano de confete e serpentina. Simpatia é quase calor humano. Mesmo a mais distante das carnavalescas não pode, não deve ficar insensível à  alegria contagiante de sotaques de vários continentes e matizes, todos absolutamente enlevados com tamanha liberdade dionisíaca, a céu aberto, gratuita, fortuita enquanto dure. E não dura muito para o imenso bloco que ajuda a fazer a festa vendendo acessórios momescos, ingressos “milionários” para o desfile no Sambódromo e sendo perseguido pelo “rapa”, que em carioquês significa a tropa de choque de ordem da Prefeitura.



        
               O rapa passa, eles voltam. O toque de realidade na Passarela da Visconde de Pirajá, que, às 16:21, é tomada por uma multidão indecisa entre tantas atrações, convulsões, compulsões, dentro de um... insuspeitável? inabalável? espírito pacífico.


video
                                           (Clique para ver o vídeo)
         
                 Hora de voltar para casa, são emoções demais para uma ex-carnavalesca e o cachorro, assustado, como que lhe perguntando, com olhar de socorro, “o que fizeram da minha rua, das minhas calçadas”??? Home sweet home, ar condicionado, conforto, sossego... mas no meio do caminho há mais foliões. Há centenas, milhares deles.


video
                                           (Clique para ver o vídeo)

        
                Mais tarde, em novo e persistente passeio com o cachorro, o bloco de laranja é tão bem-vindo que parece uma... miragem?




         
             A Passarela da Visconde de Pirajá de volta ao bloco da Comlurb - e à paz da rotina - não tem preço.


Rio, carnaval de 2012